Arquitetura de Soluções

por Waldemir Cambiucci

S+S Day : um olhar sobre as novas tendências em TI.

Olá pessoal, tudo certo?


image Vocês já devem ter visto nos blogs do Otávio, do Rogério ou do Markus que tivemos semana passada um evento sobre Software + Services, aqui na Microsoft. As palestras também já foram publicadas e deveremos ter mais material sobre o assunto nas próximas semanas.


Vamos aproveitar esse post para falar de alguns tópicos da visão Software + Services, que tratei na abertura do evento. Veja os slides aqui.


Para começar, segue uma proposta de evolução para a arquitetura de soluções ao longo dos últimos anos:


image


Claro, é apenas uma simplificação, mas vale para o nosso bate-papo. Hoje, vivemos um momento de busca pela redução de custos, maior eficiência, previsibilidade e reuso de componentes e investimentos efetuados em TI. SOA aparece bem como uma promessa de realização dessa busca, oferecendo componentes e serviços reutilizáveis, combináveis, que oferecem uma infra-estrutura mais eficiente para as empresas.


Um dos motivadores dessa busca é o chamado Negócio Ágil, que deve permitir que as empresas coloquem no mercado novos produtos de forma rápida, eficiente e com maior flexibilidade. Também já está claro que nem todas as aplicações e cenários são aderentes às várias camadas de SOA, devido a problemas como latência, governança, impacto na cultura da empresa e principalmente necessidades do negócio. A decisão pode estar entre um “middleware de alta performance” ou a “composição de serviços” algumas vezes.


Agora, imagine que nossa infra-estrutura de TI e arquitetura estejam maduras em relação aos componentes de SOA e SOI. O que virá depois?


Já falamos aqui sobre várias tendências paralelas a SOA, como SAAS, RIA, WEB 2.0 e Cloud Computing. A visão para o futuro é uma somatória dessas tendências, o que deve gerar uma arquitetura ainda mais híbrida e baseada em serviços. Por isso, a partir de 2009 o desenho destaca a palavra “serviços”.


Essa é a essência da visão Software + Services proposta pela Microsoft: uma arquitetura híbrida, que combine os benefícios do mundo enterprise (on-premise) com a computação na nuvem (in-the-cloud), utilizando qualidades de serviço diferenciadas para cada ambiente, seja no auto-hospedado (dentro da empresa), em hosters locais ou na nuvem.


Um dos principais elementos dessa visão S+S na Microsoft é o Windows Azure, que aparece como uma plataforma como serviço, ou se preferir, um “PaaS – Platform as a Service“. Através do Azure, será possível construir aplicações sobre uma infra-estrutura com provisionamento dinâmico, elástica, que deve suportar altas exigências de escalabilidade e demanda. Vale comentar que o Windows Azure deve oferecer também uma série de recursos ou capacidades de computação na forma de serviços, completando sua plataforma para a construção de aplicações sofisticadas sobre a nuvem.


image


Em 2009 teremos a evolução dessas caixas, enquanto a Microsoft recebe o feedback de várias empresas pelo mundo que já começaram seus testes sobre os CTP publicados. Da mesma forma, uma série de perguntas começam aparecer sobre a integração dos cenários de hoje com o futuro. Veja algumas abaixo:



  1. Como faço para integrar meu legado com serviços ou aplicações da plataforma Azure?

  2. É possível migrar minha aplicação on-premise atual para a plataforma Azure? Devo fazer isso para qualquer aplicação LOB ou legado que eu quiser?

  3. Quais recursos do .NET Framework devo utilizar para preparar uma aplicação atual para o Windows Azure ou seus serviços?

  4. Qual o impacto na gerência de projetos que envolvem componentes do enterprise com serviços e componentes da nuvem?

  5. Quais são os cuidados no ambiente de produção para monitoração de serviços de um cenário híbrido, onde tenho componentes locais (on-premise) e componentes remotos (na nuvem)?

  6. Windows Azure e seus serviços ainda estão em desenvolvimento. Como organizar uma estratégia de treinamento, experimentação e preparação de minhas equipes para a adoção gradual de capacidades da nuvem?

  7. Posso combinar funcionalidades de aplicação on-premise com dados na nuvem? O contrário também é válido? isto é, aplicações na nuvem com dados on-premise?

  8. Conheço vários design patterns para a construção de soluções no enterprise. Esses patterns são aplicáveis para soluções na nuvem, ou vou precisar de novas abordagens?

  9. Como preparar planilhas ou análises de custos para decidir quando uma aplicação pode aproveitar os recursos da nuvem?

  10. Como garantir que meus projetos de SOA e ESB sejam compatíveis com serviços e aplicações do Windows Azure?

As questões acima são apenas exemplos que tenho ouvido em conversas com arquitetos e líderes de projetos. Espero ir respondendo essas questões ao longo dos próximos posts e comentários com vocês.


Para terminar, segue os links para todas as palestras do evento S+S Day, vale conferir:


S+S Day – Software + Serviço: O que há de novo após o PDC (ppt)
Ref.: http://www.msdnbrasil.com.br/downloads/ssday/SS_Day_Abertura.pdf


S+S Day – Introdução ao Windows Azure (ppt)
Ref.: http://www.msdnbrasil.com.br/downloads/ssday/SS_Day_Windows_Azure_Intro.pdf


S+S Day – Geneva: Identidade na Nuvem (ppt)
Ref.: http://www.msdnbrasil.com.br/downloads/ssday/SS_Day_Geneva_Framework.pdf


S+S Day – Live Services (ppt)
Ref.: http://www.msdnbrasil.com.br/downloads/ssday/SS_Day_Live_Services.pdf


S+S Day – .NET Services, Serviços na Nuvem (ppt)
Ref.: http://www.msdnbrasil.com.br/downloads/ssday/SS_Day_NET_Services.pdf


S+S Day – Cenários de aplicação de dados na nuvem (ppt)
Ref.: http://www.msdnbrasil.com.br/downloads/ssday/SS_Day_SQL_Services.pdf


S+S Day – Por que e quando usar os novos Serviços Online da Microsoft? (ppt)
Ref.: http://www.msdnbrasil.com.br/downloads/ssday/SS_Day_Quando_Usar_Azure.pdf


Por enquanto é só! Até o próximo post 🙂


Waldemir.