PDC 2009 – Dia 1


Boa noite a todos !

O PDC é um evento que procura mostrar as tendências, projetos e iniciativas da Microsoft para o seu ecossistema de desenvolvedores e arquitetos. Vou citar alguns assuntos que vi durante o dia de hoje.

Cloud Computing

Venho dizendo que Cloud Computing é uma mudança silenciosa que vai impactar o modo que consumimos TI. No Livro “Mundo é Plano”, há máxima que a forma que a TI e a comunicação está transformando o mundo. Cloud Computing é uma destas forças de transformação. Nesta fotografia fica claro o que vem ocorrendo com a evolução da computação até o mundo “cloud”.

Evolução da computação

Além do que já conhecíamos do Windows Azure, uma novidade interessante é permitir o uso de máquinas virtuais próprias dentro do Windows Azure. Com isto, empresas poderão hospedar suas aplicações, montar ambiente de testes e ter outras vantagens. É claro que inicialmente, isto não permite tirar o proveito da elasticidade das VMs já disponíveis (WorkerRole e WebRole).

A foto abaixo mostra os locais hoje que há disponibilidade de datacenters Microsoft.

Datacenters

Microsoft PinPoint

O Pinpoint é um marketplace e diretório, onde ISVs/IT providers podem publicar suas aplicações para serem achadas e consumidas por clientes/consumidores. Uma das fundações do Pinpoint é o projeto “Dallas”.

Microsoft Pinpoint

 

Projeto Dallas

Uma das missões do “Dallas” é reduzir o atrito na construção de aplicações que usam dados de terceiros. Imagine que o “Dallas” é como um marketplace de dados, onde qualquer fornecedor pode publicar a sua “API” de consumo e qualquer consumidor pode utilizá-la. O backoffice do “Dallas” fornece um controle de faturamento dos dados e o seu uso. Como diria uma camiseta que tem no PDC, “It’s All data”.

Vamos a um exemplo, imagine que você está pensando em construir uma solução para analisar tendências de trânsito de determinadas regiões de uma cidade (uma cidade como São Paulo bem que precisaria). Esta sua solução precisará fazer um “mesh-up” de dados de mapas geográficos, número de carros licenciados pelo Detran e expansão imobiliária. Em uma situação tradicional você precisaria licenciar os dados de todas as fontes, negociar a forma de acesso (Webservices SOAP? XML? JSON?). Com o “Dallas”, você utiliza um conjunto de “APIs” padronizadas, se inscreve em serviço especificamente e finalmente, você pode baixar um “Proxy” para consumir o serviço remotamente.

Veja uma fotografia da arquitetura

Arquitetura do projeto "Dallas"

Um detalhe interessante, o “Dallas” está construído em cima de Windows Azure e SQL Azure.

Confira o “Dallas”: http://www.microsoft.com/azure/dallas

AppFabric

O AppFabric é um conjunto de componentes, que inclui “Dublin”, “Velocity” e .NET Services (bus service e access control services). Veja os componentes que fazem parte do AppFabric.

AppFabric Componentes

Confira o AppFabric: http://msdn.microsoft.com/en-us/windowsserver/ee695849.aspx

Projeto “Sydney”

Na estratégia Software+Services, a conectividade é umas das peças centrais. O “Sydney” é um projeto para estabelecer conexões seguras entre o ambiente “enterprise” e “cloud”.

Assim, vamos imaginar que eu tenha um canal seguro entre o “enterprise” e a “cloud”, com isto posso construir soluções que compartilham dados e recursos entre estes ambientes. 

Conectividade

Bem, amanhã teremos mais novidades no segundo dia do PDC09.

abs e T+ 
Condé

versão 1.4

Comments (0)

Skip to main content