Existe Gestão de Custo no Scrum?


Recentemente, tenho participado de discussões envolvendo metodologias de gerenciamento de projetos e muito frequentemente a discussão acaba tomando o rumo das comparações, principalmente entre metodologias ágeis e metodologias tradicionais, ou sendo mais direto, comparando Scrum e PMBOK.

Como eu conheço apenas um dos lados, já que os únicos contatos que tive com o PMBOK foram através de gerentes PMPs, resolvi comprar um PMBOK para dar uma olhada e formar uma opinião mais realista sobre o assunto, ainda não recebi o livro, mas já comecei a dar uma lida nas Áreas de Conhecimento do PMBOK na internet e vi que temos algumas que não são cobertas pelo Scrum, por exemplo, o Gerenciamento de Custo.

Se formos olhar a definição do Framework Scrum na Scrum Alliance, realmente não encontraremos nada relacionado a Gerenciamento de Custo, então podemos afirmar que o Scrum não cuida desta prática formalmente, porém vamos analisar outros pontos:

Vamos assumir que um projeto possa ter custos indiretos, tais como aluguel, energia e computadores e também custos diretos, como despesas com viagens, hotel, taxi, refeições, telefone, salários dos colaboradores, etc. Vamos assumir também que o aumento descontrolado destes custos afeta consideravelmente a saúde do projeto e vamos assumir ainda que a empresa tenha uma área financeira / contábil que cuide de todas as receitas e despesas e que saiba, por exemplo, por quanto o projeto foi vendido, qual é o custo que o time está gerando para desenvolvê-lo e também tenha conhecimento sobre o percentual de rentabilidade que a empresa espera deste projeto.

Se em algum momento a área financeira perceber que a meta de lucratividade está sendo afetada, ela vai levantar a bola para alguém e no caso de projetos Scrum, provavelmente será para o Scrum Master. E o Scrum Master como um bom facilitador vai tentar negociar com o time para chegarem a uma solução.

Neste ponto a brincadeira começa a ficar interessante: o Scrum Master joga o problema na mesa e diz “Time, precisamos gastar menos! O que vocês sugerem?”. Se tivermos um time verdadeiramente Scrum várias sugestões devem surgir, como por exemplo, “Podemos parar de fazer hora extra”, “Podemos diminuir o número de viagens do PO ao cliente”, “Podemos reduzir nossos salários 🙂” e por aí vai. Porém alguém pode dizer também “É verdade, podemos fazer tudo isso, porém nós nos comprometemos a aumentar a velocidade do time trabalhando mais horas por dia para atingir a meta, e se não fizermos isso não vamos cumprir a meta do projeto”.

Pronto, temos um conflito, o como dizemos no Scrum, temos um impedimento, onde a área financeira quer diminuir o custo do projeto para manter o % de lucratividade exigida pela empresa e essa decisão pode afetar a entrega do projeto. E como todos sabem, impedimento é um trabalho para o Scrum Master, ou seja, é de responsabilidade dele discutir com os executivos, falar com o setor financeiro, com o time e encontrar uma solução que mantenha tanto a saúde financeira da empresa quanto a saúde do projeto equilibrados.

Diante disso, podemos dizer que sim, existe Gestão de Custo no Scrum, mesmo que de forma indireta e que o Scrum Master é o responsável por essa área de conhecimento no processo.

Abraços
André Dias

Comments (9)

  1. Lembrando que o ScrumMaster não decide nada. Só faz o papel de intermediário. A gestão do projeto, incluindo a financeira, cabe ao time.

    Ele pode fazer a ponte.

  2. Exatamente Giovanni,

    Tentei deixar isso bem claro na seguinte frase do SM: "Time, precisamos gastar menos! O que vocês sugerem?".

  3. Uma ótima questão levantada, Andre. Apenas gostaria de acrescentar que o Scrum sugere que as equipes não necessitem fazer horas extras para o projeto.

    Este assunto (de custos) é muito mais profundo e complexo do que parece.

    Outra possibilidade que me veio a cabeça agora é analisar o Earned Value em paralelo ao gráfico de burndown.

    um abraço.

  4. Rafael Ramos says:

    André,

    Eu, particularmente, acredito no Scrum muito mais como um conceito do que como metodologia. Como metodologia, ele ainda deixa muitos pontos a desejar, como por exemplo, a questão de custos que você citou, a questão de aquisições, e tantas outras áreas presentes no PMBoK que não constam no SCRUM.

    Resumindo, se formos considerar que Scrum e PMBoK possuem objetivos diferentes, acredito que podemos tirar o melhor de cada um deles.

    Se puder, dê uma passada em meu blog!

    Um abraço!

  5. Tendo em vista meu conhecimento em PMBOK e minha experiência em SCRUM, acho que a gestão do custo no SCRUM apesar de não estar explicita é na maioria dos casos mais eficiente.

    O SCRUM se torna mais prático e objetivo, pois o Scrum Master traz a discussão para os colaboradores. Com os colaboradores integrados com o projeto e comprometidos a gestão de custo se torna algo natural. Pois afinal um projeto bem executado motiva a equipe.

  6. Rafael,

    Conceito, metodologia, framework, processo, disciplina, guia, enfim, está cada dia mais difícil definir o que PMBoK e Scrum são, oficialmente são um guia e um framework respectivamente, porém cada pessoa os interpretam de um jeito.

    O ponto chave do Scrum é que ele é simples, simples de entender pelo menos. E ele foca apenas no resultado, na entrega freqüente, no auto-gerenciamento de pessoas, etc. E na minha opinião, as pessoas que tem buscado o Scrum é que estão cansadas de falhar em projetos, de ter problemas em projetos.

    E quando juntamos essa motivação de fazer algo melhor, com um framework bastante simples, focado no resultado e na colaboração das pessoas, é difícil que não dê certo. Por isso, tem se falado tanto em Scrum ultimamente.

    Concordo com você, Scrum e PMBoK possuem objetivos diferentes, mas não dá pra dizer que são complementarem, já que muita das práticas são conflitantes, mas com certeza é possível emprestar algumas práticas do PMBoK não presentes no Scrum.

    Muito bacana o seu blog, já está no RSS 🙂

    Abraços

  7. Guilherme,

    Na verdade, o Scrum não diz se devemos ou não fazer horas extras, mas, como todo método ágil, precisamos manter um ritmo sustentável para garantir as entregas freqüentes. E sabemos que horas extras podem desgastar o time ao longo do tempo podendo prejudicar essas entregas.

    Porém, se o time decidir que fazer horas extras é bom e vai ajudar a garantir a meta de uma ou outra sprint, pode ser feito sem o menor problema. Só não pode virar, regra.

    Abraços

  8. Muito bom Fernando, então compartilhamos o mesmo sentimento sobre o "gerenciamento de custos" do Scrum 🙂

  9. ale says:

    André,

    Muito bom o seu post, mas ainda fiquei na dúvida de como é feita a estimativa de custos no Scrum. Você sabe algo a respeito?

Skip to main content