Chaos Report 2009, novas informações, velhos problemas!


Hoje eu tive acesso à versão atualizada do Chaos Report, para quem não conhece é aquele relatório famoso, sempre apresentado em palestras de gerenciamento de projetos e metodologias, que mostra taxas de sucessos e de falhas dos projetos.

Nos últimos anos, eu tenho participado ativamente de discussões sobre processos, metodologias, ferramentas de ALM, boas práticas de desenvolvimento, padrões, arquiteturas, qualidade, testes, enfim, nunca vi uma preocupação tão grande em fazer software da forma correta como nos últimos tempos, e eu tinha certeza que arrebentaríamos nas novas pesquisas, porém para a minha surpresa, o Chaos Report 2009 diz que pioramos em relação aos outros anos.

caos-report2009

Como podemos ver nos dados acima, tivemos:

  • 32%  Sucesso (no prazo, dentro do orçamento e com escopo completo)
  • 44%  Mudaram (atrasaram, estourou o orçamento, e/ou reduziram escopo)
  • 24%  Falharam (cancelados ou nunca usados)

Segundo o relatório, nós estamos piores do que estávamos em 2004, no entanto, eu tenho vivido uma experiência bastante diferente da que o Standish Group divulga, com vários projetos com sucesso, algumas mudança e apenas uma falha e aí deixo as seguintes perguntas para vocês:

  1. Será que nada que fizemos nos últimos anos ajudou a aumentar o índice de sucesso dos projetos?
  2. Será que realmente estamos piorando ou será que o método de medição deste órgão está falho?
  3. Qual a experiência de vocês?

Abraços
André Dias

Comments (17)

  1. Dennes says:

    O universo do qual participamos é apenas uma pequena parte do universo medido pela pesquisa.

    Apenas para ter uma idéia, considere que ainda existem muitas pequenas empresas de desenvolvimento pegando "projetos fechados" com valor fixo mas sem uma análise cuidadosa, nestes últimos dias mesmo ouvi histórias de empresas (nada pequenas) por pegarem projetos desta forma.

    Se somar a isso a dificuldade em grandes empresas de se implantar um sistema, quando as vezes os próprios funcionários dificultam o processo de análise, temos um universo muito mais amplo do que aquele no qual procuramos aplicar o melhor das metodologias de projeto.

    []’s

    Dennes

  2. Acho que continua ruim desse jeito sim. Não adianta medir nossas experiências.

    Minha experiência com projetos não ágeis é de praticamente 0% de sucesso. Com projetos ágeis tenho tido um sucesso perto de 100%. Isso baseado nos clientes que tenho trabalhado.

    Até porque, com projetos ágeis não existe "escopo completo", "prazo definido", etc.

    O Chaos Report estaria ficando anacrônico?

  3. Dennes:  

    Eu não diria que existem pequenas empresas trabalhando com "projetos fechados", projetos ágeis ainda são minorias e acredito que dê contar nos dedos às empresas que trabalham exclusivamente com projetos ágeis / escopo aberto.

    Meu questionamento em relação ao Chaos Report é sobre como é possível estarmos piores do que estávamos em 2004. Mesmo utilizando escopo fechado, já aprendemos com erros do passado que não deveriam se repetir, além disso, os profissionais têm evoluído cada vez mais, veja a quantidade de eventos e treinamentos (presenciais / online) que temos atualmente. Todos eles sempre com um bom número de pessoas.

    Agora se temos pessoas mais qualificadas, histórico dos erros do passado, melhores ferramentas para nos apoiar, novas formas de construir software, onde está o problema?

    Quero ter acesso ao relatório completo para entender isso, pois só pelo gráfico não dá pra aceitar 🙂

    Abraços

    André Dias

  4. Giovanni,

    Na verdade, eu queria entender o que o Chaos Report considera como sucesso, pois se uma simples Change Request já for suficiente para classificar o projeto como alterado, 0% de sucesso não é ruim, já que essas mudanças são super comuns. O que me assusta é o alto número de projetos que falham.

    Mas você tocou em um ponto interessante. Se projetos ágeis não possuem escopo nem prazos definidos, como eles são medidos? Será que eles são considerados no relatório?

    Vou procurar esse relatório completo para tirar essas dúvidas.

    Abraços

  5. Francisco Zanin says:

    Tenho algumas questões para colocar nesta pauta para divertirmos:

    Será que a metodologia que está sendo utilizada não é a mais adequada para os projetos que estão falhando?

    Será que devemos adotar uma metodologia mais realista para o projeto, de acordo com seu tamanho?

    Ou será que os procedimentos criados apartir de uma metodologia está impossivel de controlar/administrar?

    Devemos procurar as causas destas falhas no projeto, e não o que está falhando!

  6. Mauro says:

    Olá estou escrevendo minha monografia sobre o assunto, mas náo tenho acesso a esse relatório. Estou me baseando no relatório de 1994, unico disponível para consulta no site oficial. Estava precisando da lista atualizada dos principais problemas de falha nos projetos e seus percentuais.

    Será que vc poderia me passar somente essas informações?

    meu e-mail é: romer@noxxtech.com.br

    Obrigado,

    Mauro

  7. Juan Bernabo says:

    André,

    Eu estou a muito tempo envolvido com esse problema crônico da nossa industria, e tenho defendido a ideia de que conforme a industria se "profissionalizou" digamos assim, adotando mais cmmi, mais pmbok, mais rup, ou seja realmente tentando melhorar, ela tem ido na contramão da eficazia em projetos de desenvolvimento.

    Essa era minha observação empírica.

    Mais porque quando intentamos melhorar uma coisa pode ser que acabemos piorando ela?

    A minha conclusão e de fato todo o trabalho que temos feito na TeamWare ajudando organizações a ter sucesso desenvolvendo software é no sentido de que praticamente a maior parte de premissas da gestão atual, eu chamo de Gestão 1.0 que se originou na era industrial, para gerenciar trabalho de manufactura em massa, são contraproduzentes para gerenciar o trabalho baseado em conhicimento e para isso é nescessario um novo modelo e paradigma de gestão, que eu chamo de Gestão 2.0, e do qual Scrum é um dos primeiros métodos de gestão formalizados desse paradigma, mais que com certeza é só a pontinha do iceberg.

    Os mesmos dilemas de TI existem em outras áreas, eu estou envolvido em algumas iniciativas desde Marketing a Planejamento Orçamentario.

    Isso tem a ver com uma mudança de paradigma mais profunda iniciada na física no século passado, entre a visão de mundo determinista da física clasica e a visão de mundo probabilistica da física quântica.

    Essa é minha guerra a vários anos e o porque eu creio que quanto maiores os esforços para melhorar usando o paradigma errado maiores os estragos não pretendidos, porém muito reais, e maiores as desculpas de quem esta por traz das iniciativas de melhoria com resultados pífios é não que as teorias nas qquais as suas iniciativas de melhoria estão furadas, mais que as empresas no implementaram corretamente.

    Na minha experiência, quanto mais "gestão" a empresa tem, maiores os estoques de produtos não terminados, em progresso, maiores os leadtimes, maior os impactos que geram qualquer mudança e maior a quantidade de trabalho não gerenciado que surge como consequência das mudanças necessárias a trabalhos em andamento ou seja quanto mais "gestão 1.0" maior caos, por isso para mim não é surpresa a piora da industria no chãos report.

    A boa nova é que normalmente um sistema complexo, como nossa industria, piora antes de melhorar.

  8. Muito Bem observado Francisco, muita gente tem levado a bandeira da agilidade cegamente, acreditando que agilidade é a bala de prata.

    Apesar de gostar muito de agilidade, reconheço que não é possível aplicá-la em qualquer tipo de projeto, alias há um post interessantíssimo do Wylli-Peter Schaub, sobre o assunto http://blogs.msdn.com/willy-peter_schaub/archive/2009/09/09/unhappy-with-agile-revert-to-waterfall-part-2-what-are-the-options.aspx

    Ele comenta sobre diversas metodologias, as indicações de cada uma e no final diz exatamente o que estamos falando aqui. Qual a melhor metodologia? Depende! 🙂 Temos que saber escolher de acordo com o tipo do nosso projeto.

    Abraços

  9. Mauro,

    Infelizmente, as únicas informações públicas são os números, mas você pode ter acesso ao relatório completo adquirindo o report no próprio site do Standish Group. O endereço é http://www.standishgroup.com/newsroom/chaos_2009.php e você pode adquirí-lo por US$ 99.00.

    Abraços

  10. Grande Juan,

    Eu assisti a sua palestra sobre Gestão 1.0 vs Gestão 2.0 e tenho que admitir que foi a melhor palestra do Scrum Gathering Brazil, na minha opinião.

    Eu concordo completamente com a sua visão e a mensagem que fica disso tudo pra mim é “Nós estamos muito empenhados para atingir resultados diferentes, porém não mudamos a nossa forma de agir”. E aí fica difícil conquistar resultados diferentes, trabalhando da forma que trabalhávamos há 40 anos e sabendo o resultado que temos tido ao longo desses anos.

    Eu só discordo de você com relação ao resultado esperado do Chaos Report, pois de 2006 até 2009 muitos projetos ágeis aconteceram e era nisso que eu apostava que o número de sucesso seria maior. Porém, em 2009 houve alterações na interpretação dos dados pelo Standish Group, considerando até relatos de clientes para classificar um projeto como sucesso, além de termos passado por uma grande crise mundial. Isso com certeza ajudou a impactar os números.

    Então, o jeito é continuar fazendo esse trabalho que temos feito de disseminar novas formas de construir software, de lidar com pessoas, de gerenciar projetos e acreditar que o próximo Chaos Report, será o melhor de todos os tempos 🙂

    Um abraço

  11. Ari says:

    Ninguém tem o relatório completo não ?Só tem gente de conseguir pagando ?Ninguém nunca disponibilizou na internet? Queria fazer uma citação na minha dissertação de mestrado e gostaria de ter acesso aos números e texto para referenciar.

  12. Carlos Eduardo says:

    Na verdade,André, acredito que os tempos são diferentes. Não é questão de nada termos feito pra reverter a situação ou que estamos ficando piores. A questão é que, naturalmente, o software evoluiu e tornou-se maior e complexo, impondo novos desafios para o gerenciamento dos projetos de software, além daqueles que já existiam. Acredito, então, que, sim, os engenheiros de software e gerentes de projeto têm envidado esforços significativos para garantir o sucesso de seus projetos. No entanto, parece não estar sendo suficiente para minimizar as taxas de insucessos, em vista da alta complexidade e da rapidez com que as mudanças nos requisitos ocorrem. Claro, essas taxas seriam bem piores se realmente nada estivesse sendo feito. 😉

  13. Marcos Garrido says:

    Fala garoto!

    Cara, só agora caí aqui na sua página. To procurando o texto completo do CHAOS 2009, mas não consegui até agora.

    A questão na minha opinião envolve outro fator, normalmente ignorado nas nossas discussões: E a crise? Ninguém falou na crise…

    Quantos projetos foram cancelados no meio, descontinuados pelo cliente ou tiveram mudanças radicais não previstas por conta da crise econômica mundial. A gente tem que olhar pra economia também pra não correr o risco de ficar focado só na parte técnica e esquecer que tudo o que fazemos custa $$$. $$$ esse que ficou escasso por um bom tempo.

    Abração!!!

    Marcos Garrido

  14. Wesley says:

    Que post mais inútil… perdi tempo lendo isso… achei que iria agregar alguma coisa na minha vida…

  15. Bruno Rodrigo Neves says:

    Assim, não vejo a crise como vilão eh sim a falta de processo no desenvolvimento do software, sera que neste periodo mais projetos foram desenvolvidos utilizando uma metodologia de desenvolvimento?

    Software qualquer um faz, agora seguir um processo, conhecer o processo isso que eh o diferencial do produto !!!!

  16. EDUARDO R MARTINS says:

    Essa discussão, à qual me incorporo "anacronicamente" parece-me ter sido colocada de modo errôneo pelo nobre "blogueiro".

    Até posso entender-lhe a curiosidade em ter acesso à metodologia da pesquisa, porém não consigo visualizar aonde quer chegar com isso!

    Vejam, o The Standish Group é uma empresa acreditada internacionalmente, e com contribuições relevantes, como o próprio relatório ora questionado, que se reproduz anualmente, desde 1994, após renovação anual da pesquisa que o embasa.

    Se não é assim, por favor alguém pare com essa profusão de CIOs, brasileiros e de outras tantas nacionalidades, que se utilizam de resultados de pesquisas desse Grupo, inclusive o "CHAOS Report"!

    Penso que, embora a experiência do blogueiro aponte em direção contrária, é certo não ser ela tão abrangente quanto o universo de pesquisa do Grupo. Ou não?!?

    Assim, ares de indignação em relação ao Relatório realmente não cabem!

    Melhor faria o nobre blogueiro se colocasse sua experiência pessoal, a qual é bastante interessante e relevante, inclusive, sem contudo querer confrontá-la com o Relatório. Aí não cabe, né?

    Respeitosamente.

  17. Ricardo Chaves Anastácio (Kadu) says:

    O fato é que somente as organizações de determinado porte vêm realmente aplicando metodologias para melhorarem o resultado dos projetos. O volume dos projetos, pelo fato do crescimento constante dos fatores de mudanças, vêm só aumentando. As empresas de seus mais diversos níveis têm que abrir o olho para os resultados efetivos da aplicaçõa de práticas de gerenciamento de projetos.

    Acessem o site da minha empresa: http://www.projectmanager.com.br

    Um abraço e obrigado.

Skip to main content